Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

glam fashion

glam fashion

Frida Kahlo

Frida Kahlo: A beleza em cada detalhe

Sua musa preferida era ela mesma, pois na hora de se vestir, Frida estudava os detalhes das combinações entre rendas, texturas e estampas diferentes com o mesmo cuidado que planejava a pintura de um de seus autorretratos. Kahlo projetava através de sua imagem características como força, independência, autonomia e vitalidade. Gostava de combinar a roupa com exageradas joias, xales e coroas de flores entrelaçadas nos longos cabelos. Colocava a sua alma em sua maneira de se vestir e procurava assim expressar através das roupas a força que faltava ao seu corpo fragilizado pela pólio e pelo fatídico acidente de trânsito pelo que passou. Ela demonstrava sem hesitar todo o seu amor pelo México e se orgulhava de seus vestidos de tehuana, blusas huipil e saias floridas. O impacto de seu estilo na época foi tamanho que a designer Elsa Schiaparelli chegou a criar um vestido em sua homenagem, o Robe Madame Rivera, naquela época.

Com as roupas, ela também escondia problemas físicos, a dor derivada das inúmeras cirurgias pelas quais passou, a solidão, a tristeza. Sua saúde a deixou inválida fisicamente e o seu companheiro, o pintor Diego Rivera, o fez emocionalmente. A maneira com que reagiu ao divórcio foi mais uma prova de como seu estilo era um espelho de sua condição psicológica. Depois da separação, renunciou provisoriamente àquilo que o ex marido mais amava nela: a feminilidade de ruas roupas. Frida cortou o cabelo, passou a vestir trajes de homem e celebrou assim o luto da união perdida por um bom tempo. Quando precisava se renovar, ela alterava também seu estilo de se vestir. Suas icônicas sobrancelhas, por exemplo, não deixavam ninguém indiferente e viraram marca registrada da artista. Em uma carta que escreveu para seu ex-marido Diego Rivera, confessou uma vez com orgulho e satisfação: “Em todas as reuniões que eu assistir e onde eu estiver, o foco é sempre eu: meus lindos trajes bordados de indígena com meus cocares de flores e minha invalidez”.